COBERTURA DE CASCOS


Existem inúmeras maneiras de se fazer um modelo. Isso também se aplica a cobertura dos cascos.
Quando trabalhamos com cascos relativamente pequenos, podemos fazer a aplicação de cada ripa em uma só vez. Explicando melhor. A ripa vai de proa a popa.

Mas, a bem da verdade, isso não ocorria nos barcos reais! Isso apenas era feito pelos povos do norte que não detinham a tecnologia de cortar a madeira por meio de serras. Isso limitou o tamanho de suas embarcações!

Os povos ditos do sul, portugueses, espanhóis, franceses......por deterem essa tecnologia conseguiam cortar as madeiras de forma bem mais precisa o que permitia fazer emendas.

Isso possibilitou o aumento no comprimento e largura de suas embarcações.

No modelismo algo parecido ocorre!
Ao trabalhar com modelos com um casco acima de 50 cm fica bem complicado aplicar uma única ripa por vez de fora fora!
Abordamos esse aspecto agora por acharmos ser o momento mais propício em virtude de está sendo desenvolvido um kit cujo o comprimento ultrapassa os 50 cm, a nau Santa Maria.

No tutorial do kit mostramos como o casco deve ser coberto! Mas a maneira de como isso deverá ser feito mostraremos agora porque isso se aplica a todos outros kits que por ventura venha montar e que opte por esse tipo de cobertura.

A ripa será dividida em 3 partes iguais. Na seção 1 será feito o desbaste que seria normalmente se procede.
A única ressalva, é que serão feitas em pares e iguais.
As demais, a 2 e a 3  ficarão como estão.

 


As ripas serão aplicadas como mostrado acima. Serão unidas de topo entre si
apoiadas e coladas à lateral de uma antepara. Procure sempre fazer essa junção
 no meio.

 

 

A junção será feita na parte mediana da antepara conforme demonstrado ao lado.

 


Serão colocadas alternadamente. Se um segmento tem uma de suas extremidades apoiada na antepara 3 e a outra extremidade estiver apoiada na antepara 10, o mesmo será feito do outro lado.
Não deverão por sua vez, terem junção coincidentes com a junção feita na fixação da ripa seguinte, conforme demonstrado no desenho acima.

Você ira notar que seu trabalho será bastante facilitado, aproveitando o máximo de madeira!
 

 


Acima você poderá visualizar a disposição das ripas. Note que as junções não são coincidentes.

 

 


Poderão ocorrer discrepâncias entre as larguras das ripas nas junções. Mas isso será normal. Com um estilete ou mesmo uma lima chata nivele a superfície entre elas.

 

 

Caso esteja utilizando cola para madeira, você poderá valer de alfinetes de marcação vendidos em qualquer papelaria.
A dica é que não introduzir diretamente na lateral da antepara.
Antes faça um furo de diâmetro menor com uma broca mais fina do que o alfinete. Somente depois disso você introduz o alfinete.
Isso evitará que a antepara venha abri ou rachar.

 


Caso esteja utilizando cianocrilato, pressione na região das junções com uma fonte de calor. Você verá que a aderência se dará rapidamente.