EMBARCAÇÕES NÓRDICAS

Os noruegueses, que armavam até três mil navios de cada vez. possuíam também os competentes barcos auxiliares: os visiabry-ding. de grande porte, transportavam viveres, gado, armas e munições, como também ferreiros e forjas para efetuar reparações em pleno mar, e o hepiskusa (navio veloz) carregava os despachos. O kaup skip (navio cargueiro) era mais largo do que a "nave longa", Imergia mais, não tinha escudos nas amuradas nem a "cintura de guerra" (um grosso cabo usado para reforçar o casco das naves de guerra) e não tinha bandeiras nem dragões. A saga de Egil descreve um deles: "Thorof tinha uma nave de grande altura, bem construída e toda pintada sobre a linha de flutuação. A vela era listrada de vermelho e azul. O equipamento perfeito. Ele armou esta nave, com os seus servos como tripulantes, e carregou-a de peixe salgado, peles, sebo, pelicas, coisas estas todas de grande valor. Saindo para o sul, tomaram o mar navegando para o poente para comprar tecidos de Ia e outros gêneros necessários. Na Inglaterra encontraram um bom mercado, carregaram trigo, mel, vinhos e tecidos, e retornaram no outono com ventos favoráveis" Estes " homens do norte", ou "normandos", negociavam com Iodos os portos da Europa ocidental, no Adriático, no Mediterrâneo e até mesmo com os portos do Tigre e do Eufrates. Velejaram até o Mar Negro e chegaram, com caravanas, até o coração da Rússia.

Já na Idade Média, porém, as estupendas "naves longas" perderam suas extraordinárias formas, assemelhando-se cada vez mais às "naves redondas" mediterrâneas. Exemplo desta transformação é a "barca de Kalmar", do séc. XIII, descoberta (juntamente com vários outros cascos do sèculo. XVIII na baía de Kalmar, na Suécia, durante os trabalhos de drenagem realizados em 1932-1934.  

 

O casco de carvalho, com madeiramento de tábuas sobrepostas, comparado com o das "naves longas" mais antigas, é de uma largura desproporcionada de 4,5 m para um comprimento de 12 m. Este navio curto, rígido, provido de grossas traves, pontado, e movido por uma vela de 25 m2, sustentada por um robusto mastro plantado no centro, constituiu o protótipo do lugger inglês do séc.XIX.

 

 

Descenderam dos tipos noruegueses, além dos lugger, as lanchas (galleys) do Kent e do Sussex, e os grandes yawl da praia da costa oriental inglesa. Foram famosos os lugger de Deal, cidade do Kent dada ao contrabando; e quando este deixou de ser rendoso, os proprietários desses barcos tiveram de topar tudo o que aparecia, desde pilotar navios na Mancha, até andar à busca de despojos de naufrágios. Posteriormente os lugger foram também de 12 m, equipados "al terzo", com dois mastros e sete ou oito homens. Um lugger de Deal, O England's Glory, enfrentando uma borrasca de sudoeste, salvou para os Goodwins, em 1866. Uma carga de chá do Iron Crown: empreendimento marítimo notável que proporcionou 7.000 libras esterlinas à tripulação, como prêmio. O último lugger foi vendido em 1925, ao preço de apenas duas libras e dez xelins.  

 

As lanchas de Deal foram muitas vezes utilizadas como batéis de salvamento. Tinham, além de dez bancos de remo e uma enorme vela de terço. Estreitas, de pouca Imersão, com aquela grande vela, tinham necessidade de quase meia tonelada de lastro, que a qualquer mudança de bordo, linha de ser rapidamente deslocado para barlavento. Dois exemplares desta estupenda barca existem ainda em Deal.  

O ywal do norueguês yol uma barca de proa e popa iguais e com madeiramento de tábuas sobrepostas) da costa oriental assemelhava se muito à nave de Gokstad. Os yawl Ide dois mastros, equipados "al terzo", de 18 m de comprimento, com cerca de trinta homens) eram velozes e salvaram milhares de vidas humanas. O maior deles foi o Reideer de Great Yarmouth de 20,7m de comprimento. Podia fazer 16 nós; a sua tripulação desafiou, em 1854, o schooner América para uma regata no Mar do Norte, mas os americanos não aceitaram o desafio.

Quanto ao Jubileu de Southwold, em competição com outro yawl numa tarefa de salvamento, partiu o rival em dois. talvez de propósito, pois a sua tripulação era "uma raça temerária e selvagem", que poucas semanas antes tinha retomado dos franceses um bergantim inglês e capturado um lugger de guerra francês!

 

 

Modelismo naval, nautimodelismo, kits, kit de montagem,  barcos, navios, veleiros, caravelas, naus, galeões, imagens, planos, kits de montagem, canhões, réplicas, estático, vitrine, ferramentas, monografias, Eduardo Dias Nunes, técnicas, demonstrações, piratas, história, modelos de madeira, barcos de madeira, militaria, colecionismo, canhões, miniaturas, replicas, canhão, catapulta